VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

segunda-feira, 25 de março de 2013

ONU ressalta esporte como ferramenta contra o racismo






Foto:ONU/Patricia Esteve
Nesta quinta-feira (21), Dia lnternacional para a Eliminação da Discriminação Racial, o Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, ressaltou o poder do esporte como ferramenta de combate ao racismo. “O esporte é uma atividade universal que pode reafirmar nossos direitos humanos fundamentais”, disse Ban em sua mensagem para a data.
“A comunidade internacional tem a obrigação de trabalhar pela igualdade e pela não discriminação, e podemos fazer progressos ao fomentar estes valores por meio do esporte”, acrescentou Ban.
Em sua mensagem para a data, o Presidente da Federação Internacional de Futebol Associado (FIFA), Joseph Blatter, afirmou que, apesar das vitórias contra a discriminação e o preconceito, essas questões ainda permanecem e ainda há muito para mudar.
Segundo Blatter, o racismo pode estar presente em várias situações, seja nas conversas casuais de mesas de restaurante, no movimento das esquinas das ruas e nos campos e estádios de futebol. “Nós não podemos viver negando e fingindo que todas as batalhas contra o racismo tenham sido vencidas”, disse.
Como exemplo positivo na luta contra o preconceito no esporte, Blatter citou a equipe da França campeã da Copa do Mundo de 1998, vista por todos como exemplo de sucesso de uma nação europeia aberta, moderna e multicultural. O presidente da FIFA também lembrou a seleção alemã na Copa do Mundo de 2010 na África do Sul, quando quase a metade de seus atletas tinham origem imigrante.

Data lembra massacre na África do Sul

Todos os anos, a ONU marca este dia no aniversário do massacre de Sharpeville, em 1960. “Nós nunca poderemos esquecer os 69 manifestantes desarmados e pacíficos que foram mortos pela polícia sul-africana quando protestavam contra as leis injustas impostas pelo apartheid naquele país”, disse Ban.
O apartheid foi desmantelado há muito tempo e já ocorreram outros avanços importantes na luta contra o racismo, lembrou ele. “Esses incluem tratados e declarações, o desenvolvimento de um quadro internacional para combater o racismo e sistemas nacionais de proteção por numerosos Estados.”
No entanto, apesar do progresso, Ban Ki-moon lembrou que o racismo continua sendo uma “ameaça generalizada” para indivíduos e grupos étnicos e religiosos em todo o mundo. “É uma ameaça à estabilidade e uma grave violação dos direitos humanos.”