VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

terça-feira, 5 de março de 2013

Pai pede que filho não seja cuidado por enfermeiras negras nos EUA



A gerência do Hurley Medical Center está sendo acusada de discriminação e violação dos direitos civis estaduais depois que a enfermeira teve que ser transferida da terapia intensiva neonatal

Uma enfermeira negra processou um hospital no estado de Michigan, nos Estados Unidos, por causa de um cartaz, colado a pedido do pai de um dos bebês, que pedia que seu filho não fosse cuidado por funcionárias negras. A gerência do Hurley Medical Center está sendo acusada de discriminação e violação dos direitos civis estaduais depois que a enfermeira teve que ser transferida da terapia intensiva neonatal no outono passado.

Segundo a enfermeira Tonya Batalha, de 49 anos, o homem puxou a manga da camisa para revelar uma tatuagem "parecida ao símbolo da suástica". O nome do pai não foi incluído no documento do tribunal, revelada pela rede "ABC News".
"Por favor, sem enfermeiras afro-americanas para cuidar do bebê (nome), a pedido do pai. Obrigado", dizia a nota que foi colada no quarto onde a criança estava internada.

Após o pedido, seguido de uma reunião com a equipe do hospital, a enfermeira foi informada em sua casa de que seria transferida de área. Um advogado do hospital alertou a gerência sobre a ilegalidade do ato, mas, de acordo com o processo, funcionários negros não foram designados para tomar conta do bebê durante o restante de sua estadia no hospital.

Após a publicação da notícia, o CEO do centro médico negou, em uma coletiva de imprensa na terça-feira, que funcionários negros tenham sido afastados. "O pai foi informado de que o seu pedido não poderia ser atendido, e todos os enfermeiros continuaram disponíveis para cuidar do bebê", disse Melany Gavulic, de acordo com a afiliada da ABC News no estado, WJRT. "Nós apreciamos a preocupação da comunidade e a oportunidade de esclarecer publicamente o caso. O Centro Médico espera uma resolução rápida e amigável."

A enfermeira foi empregada do hospital por 25 anos. Ela pede indenização pela perseguição e por humilhação.

Fonte:
http://www.gazetadopovo.com.br/mundo/conteudo.phtml?id=1346830&tit=Pai-pede-que-filho-nao-seja-cuidado-por-enfermeiras-negras-nos-EUA