VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

segunda-feira, 1 de julho de 2013

Cansada


Estou cansada. Existe uma inquietude em mim. Uma vontade de ser, impossibilitada pelo querer... pela ânsia.
Estou cansada de ter de me explicar. De ter de provar que o que eu sinto é o que de fato acontece. Tô cansada de justificar minha revolta.

Porque tem cosias que simplesmente são injustificáveis diante do óbvio.
Mais de 500 anos se passaram. E pleno 2013 ainda lutamos por liberdade... E eu ainda tenho de justificar por que eu luto.

Tenho que justificar que o que pra muitos é exagero e radicalismo, pra mim são minhas verdades, aquilo que eu sinto, aquilo que eu vivo. E que muita gente vive e sente.
Em pleno 2013, brancos estão seguros dentro de sua brancura enquanto negros morrem por sua negrura.

Em pleno 2013, com todo o contexto histórico que circunda este país, com toda realidade que falaciosamente deturpa um discurso afirmativo, como segregacionista; piadas racistas como liberdade de expressão; com uma política de interesses brancos que banaliza qualquer tentativa negra de se inserir socialmente... Com tudo isso, ainda lutamos por liberdade.

Tô cansada de ter de justificar meu discurso e ensinar branco a reconhecer que existe desnível social, econômico e que tudo isso é causado pelo racismo.
Tô cansada de ter de justificar meu posicionamento político.

Tô cansada de falarem na minha cara que somos incluídos na sociedade, quando vejo o irmão ser preterido em fila de emprego porque usa black.
Cansada de hipocrisia.

Cansada de ver problemas brancos resolvidos e as questões dos pretos ignoradas.
A luta é continuada e se depender de mim, sempre será.

Quem nega a realidade é porque tem medo dela.
Quem tem medo não muda o seu próprio universo.

Alessandra de Mattos
Preta&Gorda.