VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

sexta-feira, 12 de julho de 2013

O pintor das Pretas&Gordas

 
 
A arte de Augustin Kassi homenageia as formas lindsa de mulheres africanas. Com cores fortes, mostra uma beleza existente que usualmente é mitigada pela força imposta por um determinado padrão de beleza europeu.
 
"Eu queria lutar por essas mulheres que foram criticadas e até feitas prisioneiras da ideia de que não eram bonitas", disse o pintor local Augustin Kassi.
Kassi tem um estilo inconfundível e é considerado um dos mais importantes artistas contemporâneos da Costa do Marfim.
 
 
"Decidi tomar uma posição e dizer: 'Não, você é linda - Deus a fez assim. Tome cuidado com a alimentação, faça um pouco de esporte, e nós te amamos'. Eu amo essas mulheres", disse Kassi à BBC.
Axelle Osombo, uma das visitantes da exposição, disse: "Eu acho original, porque estamos acostumados a ver pinturas de paisagens e mulheres magras e elas (as obras) mostram o valor das mulheres maiores. Eu gostei muito, especialmente porque sou grande e bela."
Kassi diz que decidiu pintar mulheres "grandes" após presenciar uma discussão em uma viagem de Abidjan a Bingerville em uma espécie de van, conhecida como "gbaka".
Uma mulher grande entrou na gbaka e o cobrador pediu que ela pagasse por duas passagens, porque estava ocupando muito espaço, o que causou uma grande discussão.
O artista diz que a cultura tradicional da Costa do Marfim e de Gana valoriza as mulheres grandes. Durante três meses após o parto, as mulheres têm de ficar de resguardo. Depois disso, espera-se que pareçam saudáveis e bem alimentadas, sinal de que o marido cuidou bem delas.
"São bonitas e representam as verdadeiras mulheres africanas", disse outra visitante da exposição, Awa Toure. "Na África, quando você tem um ou dois filhos, você toma novas formas e é isso que o pintor mostra em seu trabalho."
A exposição de Kassi faz parte da Bienal Internacional de Arte Naif em Abidjan, que está em sua quarta edição e traz artistas de mais de dez países africanos.
A escola de arte naif vem ganhando espaço e se caracteriza pelo estilo propositadamente simples,
com cores fortes e, frequentemente, uma perspectiva distorcida.
"Artistas naif costumam pintar animais, plantas e pessoas vivendo em harmonia. Eles são, de alguma forma, ecologistas, amam o que Deus criou e protegem a ordem criada", diz Kassi.