VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

sexta-feira, 6 de setembro de 2013

Oferecimento Publicidade Porto Velho será sede do 3º Congresso Nacional da União de Negros

Acontece no período de 27 a 29 de setembro de 2013 em Porto Velho, o 3º Congresso Nacional da União de Negros pela Igualdade – Unegro, com o objetivo de promover a ação política articulada do Movimento Negro, bem como, reunir e fortalecer a Unegro enquanto instituição. Avançar nas mudanças com o Movimento Negro é o tema da edição deste ano.
De acordo com a coordenadora estadual da Unegro em Rondônia, Jamyle Vanessa, é preciso se garantir um fórum qualificado para se debater políticas no campo da igualdade racial no Estado. A comissão organizadora do 3º Congresso Nacional da União de Negros pela Igualdade, está assim composta: José Antônio Silva. Cristian Jorge, Elisangela Jordan, Alzemir Lima, Jamyle Vanessa, Marta dos Reis e Pedrão Adão.
A Unegro está localizada na Rua Major Amarantes, 1189 no bairro da Arigolândia. A Unegro é uma entidade nacional de combate ao racismo, preconceito e discriminação racial, e foi fundada em 14 de julho de 1988, na Bahia. A entidade articula-se com outras entidades e organizações do movimento negro e social, destacando sua contribuição na construção da Coordenação Nacional dos Movimentos Sociais.
Para a coordenadora estadual da Unegro em Rondônia, Jamyle Vanessa, o congresso é de extrema importância, diante da vulnerabilidade da população negra brasileira. Pesquisas do IBGE, DIEESE e IPEA comprovam que os negros são as maiores vítimas da violência doméstica e urbana, da mortalidade materno e infantil, são os detentores dos menores salários do mercado de trabalho, e são em maior representatividade nas prisões.

“Estes dados contribuem para maior visibilidade da questão do negro no Brasil. O certo é que o movimento negro deu aberturas para o recorte social, mas acreditamos numa maior capilaridade destas políticas de classe e gênero, e que possamos efetivamente construir o protagonismo com igualdade, fazendo à ruptura no padrão de gênero, classe e raça”, disse a coordenadora.