VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Enquanto isso, no Esquenta...

Papo Reto. 
Por Alê de Mattos, para +Preta Gorda 

Só de início, compartilho a chamada do vídeo que foi publicado pela página da emissora. Sente o drama:

Esquenta! faz festa em comemoração ao Dia da Consciência Negra

http://globotv.globo.com/rede-globo/esquenta/v/esquenta-faz-festa-em-comemoracao-ao-dia-da-consciencia-negra/2961033/

Pergunte-se: Comemoramos o quê? Ande se encontra contextualização histórica na produção desse lixo, para agregar a palavra COMEMORAÇÃO a uma data simbólica que marca a morte do nosso líder Zumbi dos Palmares? Eu, como mulher preta não observo o Novembro Negro, tampouco o 20 de Novembro como uma data comemorativa. Não tenho o que comemorar com meu líder morto. Não temos o que comemorar. É mês de reivindicação, de luta, de ampliar os horizontes culturais acerca de África, de gritar os nossos mortos, gritar todo sangue derramado pelo racismo, instituído neste país.

Douglas Rodrigues, de 17 anos. Morto por um PM  no dia 27 de outubro de 2013. “Por que o senhor atirou em mim?”, foram suas últimas palavras.
O ajudante de pedreiro Amarildo de Souza desapareceu, após ele ser levado por uma viatura da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) no Rio de Janeiro. Ninguém mais viu o ajudante de pedreiro desde o dia 14 do mês passado, quando ele foi levado para prestar depoimento numa delegacia.


Pra Rede Globo, pra produção do Esquenta, e pra muita gente é dia de festa.

Como se a nossa vida fosse uma festa... Enfim...

A Taís Araújo dizendo que o filho dela é 'bicolor', foi a treva.
Deve ser muito difícil pra, ela reconhecer a negritude do filho, né? Afirmar sem piscar que ele é PRETO, numa emissora aberta, com índices de ibope altíssimos e que anda sendo referência (pois é ¬¬) pra muitos pretos e pretas por aí afora.

Sorte do filho, que é fruto também de um pai militante.
O movimento aqui fora lutando por afirmação preta, e a globo desfaz tudo isso em dez minutos.

Enfim... Edi Rock (Racionais Mc's), Taís Araújo, a Desembargadora Luislinda Valois todos à postos... Pra mim não adianta nada se tu não aproveita o canal aberto, com todo mundo vendo, pra gritar todas as nossas questões. Foram lá só pra agradecer o convite e ouvir música.



Alguém ouviu falando dos mortos na favela? Alguém ouviu alguém reclamando o corpo do Amarildo? Alguém ouviu alguém falando sobre o índice de assassinato de pretos e pretas? Alguém ouviu falarem sobre a erotização da mulher preta e do homem preto? Alguém reclamou alguma coisa lá? Abordar o tema no final do programa, não promover uma discussão séria sobre o genocídio da população preta que vem crescendo cada vez mais, tendo uma Desembargadora presente? 

Simplesmente não consigo acreditar como as pessoas conseguem enxergar representatividade num programa que nos coloca como Black Faces, parte de um entretenimento pra burguês ver. Como se nossa negritude e nossa ancestralidade se resumissem a samba no pé e rebolado, como destacado nessa matéria a respeito de Taís Araújo, feita por um link da emissora.

http://tvg.globo.com/programas/esquenta/O-Programa/noticia/2013/11/tais-araujo-fala-sobre-consciencia-negra-e-brinca-que-o-filho-e-bicolor.html

O Mês da Consciência Negra tem uma proporção grande graças a trabalhos desenvolvidos com seriedade por algumas pessoas, que promovem palestras, e mostram a quem não tem acesso informativo, um pouco mais da nossa cultura. Se a gente se conformar com essas atitudes globais, daqui a pouco, o mês e a data se esvaziará... se assemelhará a carnaval... E eu, não tô aqui pra isso.